segunda-feira, 25 de junho de 2018

Fratura




Mesmo havendo um pouco de seiva, o inverno da tristeza insistia em congelar o fino graveto. Outrora robusto e vivo, agora pouco conseguia sustentar suas folhas secas. Cada rajada de vento o fazia encolher sentindo-se menor, talvez saudoso de uma primavera distante onde foi firme e flor ou lembrança. Quebrou-se por fim uma ponta, a dor dilacerou sua memória e no acalmar das lágrimas úmidas sentiu brotar a vinda da ida. Parece, afinal, que acontecia de crescer. E ainda que dolorido e amedrontado, ensaiou um sorriso torto de quem aceita renascer.

Marina Costa