domingo, 21 de fevereiro de 2010

Doçura

Marina Costa

Lua crescendo no céu, luz de mentirinha clareando a minha sala e quentinho sai do forno conforto pro meu estômago. Do lado, bem querença. Na frente, notícias repetidas na tv. Na minha cabeça, turbilhão de coisas, como sempre; sobre a segunda, a terça, o ano que vem e o próximo século. No coração, a vida pede para andar de carro de boi. Devagar, menina, ela sussurra. Cada hora de cada vez, ainda mais agora que o horário de verão não me rouba mais nenhum minuto. Vamos dormir, que a noite é longa, os sonhos estão em fila à espera de se apresentar e entre o deitar das estrelas e o sol se levantar, milhões de sensações ainda voarão pelo mundo. Muito sorriso ainda vai nascer. Muito suspiro por suspirar. Calma, que a vida vem!





segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Roteiro


Marina Costa

Do lado de lá do vidro, o sol escalda escalpos. Aqui, do alto de doze imponentes andares, as pessoas são proibidas de transpirar. Protejo o pescoço da gripe iminente, com minha echarpe absurdamente fora do contexto tropical, pois o ar condicionado começa a fazer nevar. Rostos sóbrios, baias repleta de papéis e o assunto de trabalho é a útlima eliminação do Big Brother. . E eu, que não sei nem por onde anda tal programa acabo me sentindo sem assunto. Aposto que nunca leram 1984. E depois o meu silêncio é que é colocado em questão.
O relógio digital trapaceia minha mente insistindo em retroceder de 10 em 10 minutos. A saída espera desde a chegada no banco da praça. Em algumas longínquas horas ela virá me levar pela mão. Vai piscar para a preguiça, que anda do meu outro lado, na cumplicidade de já saber que saio pensando tediosamente no retorno de amanhã, inevitável. O caminho até em casa é feito por suspiros. Não dos brancos e doces. Mas daqueles cansados e amargos. Há, porém, sensação outra, quando finalmente abraço sofá e livro. A vida real que deixei pela manhã, entre capítulos e subtítulos me recebe com alegria. Minha face ganha rosados tons. E sentada na grama, com o amado para sempre desencontrado, sinto o sol aquecer minhas costas. Nesse mundo não existe o perigo dos raios UV.

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Necessidades

Marina Costa


Preciso...

Ser mais humana, mais bacana, mais arrumada, mais penteada, mais organizada, mais educada, mais globalizada, mais orientada, mais comportada, mais magra, mais caridosa, mais companheira, mais amorosa, mais atenciosa, mais feminina, mais bonita, mais amiga, mais confidente, mais compreensiva, mais ostensiva, mais esperta, mais inteligente, mais notável, mais palpável, mais presente, mais eloqüente, mais disciplinada, mais ecológica, mais atuante, mais praticante, mais crente, mais ouvinte, mais autêntica, mais sorridente, mais culta, mais elegante, mais abrangente, mais poliglota, mais influente...

Preciso nascer de novo. Ou de uma carta de alforria do mundo.