domingo, 14 de março de 2010

Casos e comidas em colchões avulsos

Marina Costa

   Com 35 e três casamentos fracassados, ela se sentiu transportada para outra vida quando acordou e a primeira imagem que veio à sua mente foi aquele sorriso maliciosamente infantil. Os quinze anos de diferença entre os dois eram como pólvora para aumentar sua excitação. A propriedade com que ele se aproximava dela dava às suas faces muito crescidas medos avermelhados de menina puberal. Veja se isso ia dar certo? Pois era aí o ponto. O errado, nesse caso, é que satisfazia. E, afinal, passou da idade de acreditar no tal do felizes para sempre. Dane-se o sempre. Felicidade plástica e instantânea é o item abstrato mais vendável do mercado. Ela podia pagar. Funcionava assim.
    O difícil foi entender quando chegou o fim. Muitas ligações não atendidas, lágrimas no encosto do sofá, emails com ameaças de suicídio virtual. Nada que falasse ou fizesse , levaria essa pessoa à voltar atrás. Não era ruindade. Nem foi tão só pelo sexo quente. O fato é que ela, desde pequena, sempre cansou cedo dos brinquedos.
    Eles ainda têm sorte que, ao contrário daqueles tempos, ela não arranque mais cabeças.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Para contato, nosso email é vidanacronica@gmail.com