segunda-feira, 18 de abril de 2011

Impressões em 1/4 de Guardanapo



Marina Costa


A uva é malbec, e raios me partam, não faço a mínima idéia da diferença. A música, um jazz comum e insosso, que ninguém sabe se gosta ou não. Senhoras com sacolas finas de lojas requintadas e a sede de viver o que elas pensam ser o que resta de suas parcas vidas. Segunda, dias para o natal e todos eufóricos, como nos anos anteriores e nos anteriores e nos antes dos que passaram. Menos o garçom, é novato. E eu, que além de esperar, não me encaixo. Detesto jazz e natal. O que só não é mais típico do que gostar de jazz e natal. 
Na mesa da direita, um jovem de grisalhos cabelos questiona com longos olhares minha lânguida solidão feminista. Se ele pensou em brindar comigo, teve que mudar de ideia pois a minha espera começou a terminar. E quando ele finalmente chega, crônica em guardanapo respingado de vinho tinto acaba virando história embolada e parando no cesto de lixo.

Um comentário:

  1. Eu teria sérias dificuldades pra selecionar um "Best of" desses seus pequenos instantâneos. Gente, como pode haver tanta preciosidade em textos tão curtos? Como pode a simplicidade transparecer em um texto tão bem trabalhado?

    ResponderExcluir

Para contato, nosso email é vidanacronica@gmail.com