segunda-feira, 16 de maio de 2011

Andasa Voada



Marina Costa

Sonhei que tinha acordado com asas. Uma meio torta, é verdade. Acho que amassou enquanto eu dormia. Mas o que importa é que elas funcionaram. Abri a janela, senti o ventinho e pulei. Dois metros antes de me esborrachar peguei o jeito e num rasante planante desastrado consegui subir até o telhado. De lá para o topo da árvore mais próxima foi um pulo curto e desengonçado. E aí ganhei o mundo, mesmo que capenga. Montanhas enluaradas, picos enevoados, verdes campos abertos. Com asas, eu não precisava mais do ponto eletrônico nem do monóxido de carbono. Voei por anos. E quando acordei tinham apenas penas no meu travesseiro. O despertador não se deixou embalar pelo sonho. Levanta e anda, disse-me. E, desolada, eu vim.

9 comentários:

  1. bacana o texto eh seu?

    eh muito legal!

    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  2. É meu sim! Obrigada pessoal! Mês de maio foi muito devagar, mas tenho umas criações novas e quero muito compartilhar! abraços!

    ResponderExcluir
  3. Oi. Tudo blz? Estive pr aqui. Vi e gostei. Muito legal e intressante. Bons textos. Apareça por lá. Abraços.

    ResponderExcluir
  4. Mas que cenário lindo vc construiu. Que singeleza, que simplicidade nos detalhes, que nada têm de simples (ao contrário, são bem trabalhados). Achei maravilhoso. Não gostei muito, confesso, do final =).

    ResponderExcluir
  5. Lindo,lindo e lindo !
    Quem não gostaria de um dia poder,ganhar todo o mundo,esquecer daquilo que nos prende neste chão sujo,e viver e ver as coisas belas da vida,sem medo algum...

    ResponderExcluir
  6. muito legal ...
    me segue ?
    http://vidaemserie-fg.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Para contato, nosso email é vidanacronica@gmail.com