quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Retorno



Marina Costa

Por vezes, grande parte delas, tinha a certeza de andar em círculos. Mesmos erros provocados pelas mesmas mentiras auto impostas. Mesmas máscaras construídas pelas mesmas vaidades de um ego que parece contornar o mundo. Vinham outras estações.  Sofria com mais uma gélida primavera, lamentava pelas ruas seus vícios virtuosos em cada verão outonal. Todos sorriam, alheios. Queria que chorassem, compadecidos. E sempre, no cair da noite, ao apagar das luzes, ante a infindável algazarra dos próprios pensamentos conduzia seus pés para a rotatória criada com o intuito de oferecer segurança e certeza. Um caminho seu, que não fosse, como a vida, inesperado e desconhecido. 

3 comentários:

  1. A auto-sabotagem, esse falho mecanismo de defesa é um tema que muito me interessa. Já escrevi algumas vezes sobre isso, sempre tentando entender e filtrar meus ciclos de auto-sabotagem. Ainda tento entender. Talvez o dia em que a gente vai compreender porque vivia se estragando será o dia em que morreremos, talvez o sentido da vida seja essa evolução em busca desse ideal mesmo.

    Uma vez eu escrevi:

    "Mudei de idéia sobre o inconsciente ser aquele cara grande e burro (post de 25/09/2007 intitulado Morte ao Inconsciente). Ele, na verdade, é um magrelo assustado com um cérebro imenso, que fica correndo em volta da minha caixa craniana e dando um grito contínuo de “AHAHAHAHAHAHAHHHHHH”, enquanto eu estou numa crise maníaca ou simplesmente meio ansioso demais para sair dos ciclos de auto-sabotagem em que eu me meto de vez em quando".

    Cada um tem seus círculos próprios para tropeçar, nem vou falar dos meus, mas uma coisa eu aprendi: Para ser feliz, há de se ter coragem. Muita coragem.

    ResponderExcluir
  2. Maravilhoso este post, voltarei sempre aqui e para alguém que faz psicologia, como eu, chegar aqui e ler sober auto-sabotagem desta maneira tão bela é ótimo. Nietzsche e seu eterno retorno... Para qualquer pesssoa metida em lidar com seus movimentos circulares, eu gostaria que todas as pessoas que eu gosto lessem isso aqui.

    PS.: Ao rapaz do comentário anterior, Cor-agem é agir com o coração. Precisamos sim, e muito!

    ResponderExcluir
  3. Obrigada meninos! Vinicius, dê uma olhada no blog dele! Tenho certeza que vai achar muito interessante também! Ah, e muuuito obrigada por se propor a me acompanhar! Fico tão feliz de receber esses feedbacks dos meus leitores, que só me dá vontade de escrever e conversar mais e mais, sempre! Obrigada mesmo!

    João, Luna, (ainda não sei bem seu nome) seu comentário me lembrou um livro de Dostoiévski que acabei de ler "Memórias do Subsolo" onde a personagem nos apresenta sua teoria de que temos vontades, independentes delas nos fazerem bem, simplesmente por saber que podemos tê-las, quaisquer que sejam. Talvez vem desse "poder" um pouco dessa nossa estranha auto-sabotagem! Mais uma vez, obrigada por aparecer! E leia o livro, talvez te interesse tanto quanto a mim!

    ResponderExcluir

Para contato, o email é vidanacronica@gmail.com