sábado, 30 de junho de 2012

Mimo


Quando o sol se põe no peitoril da janela alta o sorriso clareia a face dela, que mal pode esperar para ver o último raio sumir no céu. Corre ao espelho e coloca no lugar a mecha que insiste em disfarçar o olhar brilhante. Passa nos lábios um brilho com cheiro de pêssego e deixa no armário o cachecol, herança da avó. Parte em busca de calor de gente, que já passa da hora de ter. Corre contra o tempo, contra os carros, contra a saudade que invade o peito durante cada hora do dia cheio. Chega ao prédio onde ele vive, escondido em seu canto colorido, tal qual mimo gracioso em prateleira de mágicos amores… Nas escadas, já sente as pernas bambas de alegria, o coração chacoalhando de ansiedade e a boca rindo meio besta de tanta satisfação. Toca a campainha e espera, em desespero feliz! Silêncio. Pisca e entorta um pouco a cabeça, na esperança de que o movimento anuncie sua presença ansiosa. Silêncio. Ao levar a mão trêmula para tentar mais uma vez, ouve o trinco rangir e vê pela fresta fina a silhueta que tanto anseia. Não há como descrever aqui o deleite sentido e encerra-se nesse ponto a descrição desse encontro diário. Mas posso ainda ressaltar que o abraço que partilham ali é sentido por muitos amantes e perdura por muitas vidas.

Marina Costa

2 comentários:

  1. Hi! I'm from Asutralia.
    Sorry, I don't know Portuguese :(
    I just wanted to say that you're blog is really cool! :)

    ResponderExcluir
  2. Thank you so much, Jin!! Happy to know that you find my blog and like it! Please, make yourself comfortable! =)

    ResponderExcluir

Para contato, o email é vidanacronica@gmail.com