terça-feira, 30 de outubro de 2012

A Bruxa foi solta

 

 
Ela está aí, escondida na sua mãe quando ela te liga no exato momento antes de você fazer aquela besteira mal influenciada pelo amigo que ela nunca gostou. Está de mãos dadas com sua avó, que recebe sua visita surpresa te presenteando com o seu bolo de ameixa favorito, e nem época de ameixa é. A bruxa está no seu armário e pula para fora na hora em que você finalmente decide não receber mais as flores daquele babaca que sempre te apronta uma. A bruxa está solta quando você e suas amigas gargalham noite a dentro, achando que o mundo pode acabar em tequila e fofoca que para vocês está tudo é muito bom. Podem queimar, jogar pedra, procurar sinal do diabo. Podem colocar sal na porta da sala e lanterna na abóbora para iluminar a escuridão que dizem vir com elas. Mas nada vai parar essa revoada feminina que desde que o mundo é mundo se espalha noite a fora, haja Lua ou faça Sol. Mais dia menos dia a bruxa vem, para te lembrar que toda mulher plena, que todo olhar de ressaca, que todo sorriso de Monalisa hora ou outra vai despontar no rosto daquela sua feiticeira favorita, mostrando porque em tempos menos esclarecidos jogaram na fogueira nossa imagem divina, tentativa inútil de sufocar esse incrivelmente fantástico poder de criação.
 
Marina Costa
 

2 comentários:

Para contato, nosso email é vidanacronica@gmail.com