quarta-feira, 5 de junho de 2013

Lua Nova



Sobre o céu escuro e tempestuoso subiu uma nesga prateada, fraca e pouca como falso brilhante. Ergueu-se tímida e aportou-se recolhida num canto longe qualquer do cosmos. Paciente, hábito aprendido com a eternidade, contou mais uma vez os dias e a cada minuto de escuro silêncio encheu-se de um pouco mais de luz. Ao final do período de trevas devidas, ela era o disco redondo, reflexo soberano de águas no céu, diamante bruto da noite infinda. Era de novo cheia em si. Parte outra do Sol reinante. Claro facho a guiar por entre o breu da incerteza aqueles que não andam por tolo medo de em falso pisar. Fez-se luz na noite. Reflexo claro do poder do dia. Ergam os olhos os que querem ver e abram um sorriso de alívio. Eis que a Mãe de todas as eras os embala no ventre, outra vez.


Marina Costa



2 comentários:

  1. Pena que não tem lua que chegue pro meu tolo medo de pisar em falso.

    Marina respira e reinspira. Parabéns!





    ResponderExcluir
  2. Daí não é Lua que chegue, meu caro, mas Luas e Luas... querendo ou não, uma hora ou outra, a gente vai e deixa o medo pra trás! Obrigada!

    ResponderExcluir

Para contato, nosso email é vidanacronica@gmail.com