quinta-feira, 10 de julho de 2014

Tortus

 
 
As pessoas estão com medo de serem ridículas. Essa sensação se entranhou de tal forma que todos não fazem mais do que simular situações, aliciar opiniões e, pior dos piores, analisar opções. "Não" quer dizer "sim" desde que adivinhado e o "sim" nunca sai porque aceitar virou sinônimo de fraqueza. Acatar significa ser vencido. Revelar sentimentos é a morte do ego portanto fruto terminantemente proibido. Todos queremos ser lidos e relidos mente adentro mas sem que a boca se abra. Ainda assim exigimos ter nossos desejos satisfeitos mesmo que nenhuma palavra seja formada. Pedir virou sinônimo de submissão. E a possibilidade de uma recusa então é o passe certeiro para uma vida de rejeição - fato abominável. A solução foi vestir esta brilhante carapaça isolante. Rir de tudo, olhar para tudo, estar em tudo mas efetivamente nada tem graça, o olhar não se fixa e o corpo é presente apenas enquanto a alma vaga a buscar mãos quentes... Que nunca serão encontradas... É o preço a pagar por querer estar a frente da vida. Um caminho vazio se percorrido sozinho. Detalhes bonitos só podem ser vistos por quem tem coragem de entrar em ruas sem saída e dar meia volta, ainda que envergonhado de um ou outro erro de percurso. Algo ridiculamente simples de entender, por mais que seja orgulhosamente difícil de aceitar.
 
Marina Costa

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Para contato, o email é vidanacronica@gmail.com