sábado, 10 de janeiro de 2015

Cantiga


Sente o vento como fluido de vida ao perpassar por entre os dedos, acaricia o cabelo envolvendo a mente em ecos do passado... a brisa do fim de tarde devolve lembranças. Escuta no silêncio da noite que se propõe o próprio coração bater. E ele canta a mesma canção que todos os dias pela manhã finge esquecer. É de tu, tu, tu...
 
Marina Costa

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Para contato, nosso email é vidanacronica@gmail.com