terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Incesto


Ainda deitada ela suspira encolhida. O sol já vai alto mas treme, pelo tormento proclamado. Assusta-se com o fato de não se arrepender de seu ato quando o mundo todo o julga errado. Perdida em uma satisfação estranha de estar acima do pecado, ela sente a mão quente acariciando seu cabelo embaraçado. Sorri. Se o inferno são os outros, viverão a sós e unidos, felizes em partilhar juntos uma mesma perdição.
 
Marina Costa

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Escárnio



Cai do céu em cântaros transbordantes o riso embriago dos deuses estupefatos. Tamanha euforia irônica se deve à última grande traquinagem da humanidade. Eis que dentre tudo que nos é permitido desfrutar, optamos, em um ato ensandecido, por recusar a maçã divina, em detrimento da mea culpa eterna. A vida desnuda no Éden é o grande desejo humano e motivo da divina comicidade infinda.
 
Marina Costa