sábado, 20 de junho de 2015

Caídode

Créditos imagem: http://bzzn.net/14rjFKc

A asa partiu-se na queda e o anjo, ralado além de decaído, olhou com compaixão e desespero ao seu redor. De todos os castigos divinos sabia ser este o mais temido ainda que no seu caso tenha sido uma escolha do mais puro livre arbítrio. Não que não tenha se considerado tolo após a queda. Mas resolveu enfrentar com caridade cristã o que lhe aguardava. Pobre diabo, ainda que seja a metáfora adequada, ruim foi a escolha de seu próprio destino. Se a pasmaceira do paraíso o irritava, a cegueira trépida dos homens e mulheres, errantes joguetes, o faria regurgitar lições de catecismo jamais digeridas. E lá se foi o anjo de asa partida. Deixou atrás de si um rastro imaculado de penas. E à sua frente caíam,  à semelhança de triste chuva fina, lágrimas divinas.

Marina Costa

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Para contato, nosso email é vidanacronica@gmail.com