quinta-feira, 30 de julho de 2015

Palavras Escovadas

 
 
"São tempos difíceis para os sonhadores", é o que diziam para a mocinha melancólica do filme bonito. Do lado de cá da tela a mente dela alçou voo com uma pontada de dor no coração. Pois sabe sim que são. Mas entre uma dobra e outra da vida dura, entre um ontem muito longe e um amanhã de utopia, ela consegue enxergar no espelho alguém que sonha como ela. Juntos, em uma manhã amarela, escovando os dentes com escovas laranja entre risos rosados com sabor de canela. O gato mia e a acorda do devaneio. Ao seu lado, a realidade sorri para ela. 
 
Marina Costa

3 comentários:

  1. Não vou ser claro aqui. Não dá pra ser claro falando de amor. E seja como for, eu sou louco, eu posso. Então, você me indicou esse filme e eu vi numa época de total desesperança, só que eu vi novamente agora, assim recentemente, onde muito se reinventou a minha volta. E nossa, os filmes e os diferentes momentos de nossas vidas em que os vemos, não? Por isso alguns valem a pena ser revistos, como esse, que eu revi há umas duas semanas. E no meu contexto de atualmente, eu vejo que a moça melancólica do filme simplesmente arregaçou as mangas e foi a luta, atrás do que ela acreditou que a faria feliz. Fosse ajudar os outros ou a si mesma, o que ela fazia ela fazia porque acreditava, com muita razão, que era importante para ela fazer. Fosse meter a mão num saco de feijões ou devolver a caixinha do tempo de infância do senhor desconhecido, ela construiu sua própria história e foi uma bela história, porque ela a construiu, do jeito dela. Voilà. Posso falar da minha idéia "atual" dos amores? Vou falar. Do muito que eu procurei, das coisas que eu achava que queria, pouco eu de fato achei e o pouco não era nada perto da importância do que eu era obrigado a "desver" e o que eu era obrigado a fazer de conta que não acontecia era o oposto exato das qualidades realmente mais importantes do que o pouco que eu achava que merecia. E desse pouco, não tinha na prática muito o que me fizesse feliz mesmo. Minha vida avança mais um ano e com esse avançar o filme bonito muda de roupagem. Não, ela não era uma tola sonhadora, que manipulava os resultados das vidas de outras pessoas. Nada disso. Ela era sim uma pessoa capaz de elaborar um cenário tal em sua vida que o que quer que tivesse que acontecer, iria de fato acontecer, inclusive encontrar seu par romântico ideal - para ela. Saudações, Marina, sempre te leio, afinal, partiu de você o melhor conselho que eu tive no pior momento que eu vivi: "descubra-se". Foi o que eu fiz. Até Amelie Poulain mudou de roupa (mas nunca de destino).

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E a capacidade das artes, quais sejam, de modificar o nosso olhar frente ao mundo e as coisas do mundo é o que senão milagre? E quando dizemos isso, muitos pensam que somos crentes vazios em uma salvação para além... Na verdade, eu te digo meu caro, que olhar para dentro, encarar quem somos é o ponto chave da criação de tudo ao redor... a mais difícil das tarefas e a mais gratificante delas quando bem sucedida. Enfrentar a floresta escura da própria vida é para poucos, com coragem e fé em si mesmos. No final das contas, somos todos sonhadores... arregaçar as mangas cabe àqueles que não esperam o milagre chegar.

      Excluir

Para contato, o email é vidanacronica@gmail.com